Em um país onde há cerca de 20 milhões de brasileiros sem o nome do pai na certidão de nascimento, o filme Papai é Pop, que estreia no dia 11 de agosto, mostra que apenas ter o nome no documento ou morar junto da criança não é, nem de longe, o suficiente para se considerar um bom pai.

O filme, dirigido por Caíto Ortiz, é inspirado no livro de crônicas do autor Marcos Piangers, que, além de fazer uma ponta, também é um dos roteiristas da obra. No elenco, estão nomes como Lázaro Ramos, Paolla Oliveira, Elisa Lucinda e Leandro Ramos, o conhecido Julinho da Van do Choque de Cultura. Inclusive, aqui, seu papel praticamente reprisa o carismático personagem do programa da internet, com direito a frases tiradas diretamente de um para-choque de caminhão. 

A família de Papai é Pop. Crédito: Divulgação

A história acompanha Tom (Lázaro Ramos) lidando com os desafios da quebra de ciclos no convívio familiar, pois ele foi criado em uma verdadeira família tradicional brasileira, ou seja, dois contra o mundo. Após o nascimento de sua filha Laura, fruto da relação com sua esposa Elisa (Paolla Oliveira), o casal enfrenta dificuldades na criação da criança. A maioria delas são lidadas pelo personagem de Lázaro, que percorre toda uma jornada para descobrir como ser um pai, marido e um filho presente e ativo, dividindo as tarefas cotidianas e entendendo a importância de estar presente de verdade no convívio familiar.

Um destaque vai para a personagem de Elisa Lucinda. Ela interpreta Gladys, mãe de Tom, que é um retrato fiel de uma posição encontrada todos os dias em qualquer cidade do país: o de mãe solo. Ela cuida e orienta o casal protagonista, mas nunca passa a mão na cabeça do filho – nem fecha os olhos para suas falhas. Além disso, em momento algum, essa situação é romantizada ou endeusada, como se fosse bom estar na situação de mãe solo. Ponto para o filme.

Mesmo que o final tenha uma dose de drama que eu, particularmente, achei desnecessário, Papai é Pop é um ótimo filme para a família, cumprindo seu papel de divertir, ensinar e emocionar. Acredito que muitas pessoas vão se identificar com as situações apresentadas na telona.

Veja o trailer:

Papai é Pop

3.5

3.5/5
Escrito por

Thiago Chagas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.