É impossível assistir passivamente a um projeto de Alex Garland. Embora se possa inicialmente ficar intrigado com a estética sedutora do gênero, são as ricas reflexões temáticas encontradas nesses filmes e séries que permanecem conosco muito depois dos créditos, sejam eles centrados na consciência da inteligência artificial (como em Ex Machina), propensão à autodestruição física e mental (Aniquilação), ou o eterno debate entre livre arbítrio e determinismo (Devs).

Neste ponto de sua carreira, está muito claro que Garland é um mestre em misturar a excepcionalidade técnica com temas instigantes – especialmente no gênero de ficção científica. Com Men, porém, o filme que representa seu retorno ao terror e à produtora A24 após Aniquilação e Devs, Garland se aventura no território do terror explícito pela primeira vez, ainda mantendo seu estilo de assinatura e técnicas de narrativa intactas, novamente tornando a experiência recompensadora.

Divulgação

Após um evento traumático envolvendo seu marido desequilibrado (Paapa Essiedu), Harper deixa seu apartamento em Londres para morar por um tempo sozinha no interior da Inglaterra. Tendo alugado uma casa de campo “dos sonhos”, ela se acomoda em paz e sossego. Mas, como sugere o título do filme, Men, encontrar alívio dos homens não será tão fácil. Desde seu simpático, mas intrometido locador (Rory Kinnear) até o misterioso homem nu que ela percebe em uma caminhada pela floresta próxima, os homens parecem continuamente perturbar seu equilíbrio.

Os ecos desempenham um papel fundamental no filme. Mais cedo naquela caminhada pela floresta, antes de ver o estranho nu, Harper encontra alguns momentos de paz feliz em meio à natureza. (Aliás, o sorriso assustado de Buckley em resposta a um trovão é um dos poucos toques alegres do filme.) Chegando a um longo túnel escuro, ela canta algumas notas que saltam para frente e para trás ao longo das paredes. Ela sorri novamente, mas desta vez a alegria é interrompida, quando ela percebe uma figura – provavelmente um homem – na outra extremidade do túnel, correndo em sua direção.

Na trilha sonora (Garland está mais uma vez trabalhando com o editor de som Ben Barker), as notas de Harper também voltam para persegui-la, como acontecerão na maioria dos momentos ameaçadores posteriores do filme. Sobre os diversos homens que aparecem no filme, Garland definitivamente os caracteriza como uma expressão, a de que “são todos iguais”, mas vai além, pois cada um representa uma tendência particularmente hedionda da masculinidade patriarcal. Um vigário, por exemplo, culpa Harper por incitar a luxúria em seu coração puro.

O vigário é um personagem-chave, pois, na visão do filme, o problema do patriarcado remonta ao jardim do Éden. Harper, nossa Eva, colhe uma maçã de uma árvore ao chegar na casa (o senhorio a repreende). Se não ficou claro desde seu primeiro encontro com ele, o homem nu eventualmente começa a lembrar mais claramente de Adão: quando ele começa a inserir galhos e folhas nos cortes abertos em seu rosto, é uma variação macabra e horrorosa das folhas de figueira com as quais Adão e Eva se cobriram após sua queda no pecado.

A peça de resistência do filme – uma sequência horrível, extensa e de horror corporal na qual esse Adão dá à luz graficamente a outro homem, que dá à luz outro, e assim por diante, e assim por diante, até sair o marido de Harper – funciona como um comentário sobre a persistência do patriarcado.

Garland é presenteado com dois tremendos atores para ancorar essa descida sombria na depravação dos homens, já que Jessie Buckley e Rory Kinnear não falham em cumprir seus papéis de representantes das mulheres, no caso de Buckley, e dos homens, no caso de Kinnear.

Alguns podem achar que Harper é mal definida fora de seu trauma e tormento físico/emocional, mas Buckley é uma atriz tão brilhante que ela preenche as lacunas para nós, enquanto simultaneamente desempenha o papel que o diretor escreveu.

Todos aqui, em frente e atrás das câmeras, estão trabalhando em conjunto para apoiar a visão de Garland, enquanto ainda trazem seus próprios pontos para a produção. Essa coesão de elenco e equipe permite que uma história tão audaciosa e abstrata realmente atinja os objetivos que estabelece para si mesmo. Alguns podem se perder ao longo do caminho, e se você está procurando respostas fáceis, este não é o filme para você. Para o público disposto a fazer o trabalho, porém, Men é uma viagem aterrorizante, mas tentadora. Uma meditação de horror sobre as origens bíblicas e a auto-perpetuação do patriarcado.

Assista ao trailer:

Men - Faces do Medo

4

4.0/5
Escrito por

Victor Dellazeri

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.