Desde que Lost encerrou seu mistério de seis temporadas em 2010 e dividiu o público ao redor do mundo, há uma notável falta de séries no modelo “caixa misteriosa” – aquelas em as informações são lentamente entregues por um longo período de tempo, criando muitas dúvidas e teorias para o espectador. Desconsiderando algumas exceções, como Westworld, da HBO, ou Twin Peaks, a televisão mudou na direção de uma narrativa mais tradicional, realista e baseada no formato de uma minissérie que conta uma história completa. Com Ruptura, no entanto, esse tipo de programação misteriosa volta. E o fez de maneira magistral. 

Na trama, Mark (Adam Scott) é um dedicado funcionário de uma estranha empresa. Seu trabalho é buscar elementos incomuns em uma série de dados aparentemente intraduzíveis. Fora do emprego, ele é um homem apático e solitário que não tem muito o que fazer ou oferecer. Até aqui a história parece bem simplória, certo? A diferença é que a empresa na qual Mark trabalha, chamada Lumon, desenvolve uma tecnologia onde a pessoa tem duas vidas totalmente separadas. Quando a pessoa está em casa, ela não tem lembranças ou noção alguma do trabalho. Já na empresa, não tem memórias de casa.

Assim, perguntas são feitas a rodo também. O que é esse processo de separação de memórias? Como ele é feito? Por quê? O que a Lumon faz de tão secreto para que esse processo seja tão importante? Quem são essas pessoas que trabalham juntas, mas só se conhecem da porta para dentro, e não têm memória nenhuma de quem são do lado de fora? E por que elas optaram por esse processo? São questões que passam pela nossa cabeça ao dar play em Ruptura.

Divulgação

Em seis dos nove episódios da 1ª temporada, Ben Stiller dirige com um toque incrivelmente confiante, o que mostra aspectos diversificados na sua carreira como diretor. Stiller é esperto ao trazer a vida real sempre apática e gélida, cercada de neve, enquanto o trabalho surge opressor, de ângulos retos e cores firmes, embora limitadas. Ao enquadrar seus personagens isolados em cantos do frame, por exemplo, o diretor deixa claro o peso sob os ombros daquelas pessoas e o vazio que os acolhe.

O episódio 9 parece tão tenso não apenas por causa de sua escrita forte, mas também pela direção de câmera mais portátil e claustrofóbica. Como o episódio é seguido de várias tomadas longas e tomadas em POV (quando o personagem fala diretamente olhando para câmera), é um nítido contraste com o resto da direção calma dos episódios anteriores, mas serve como um exemplo notável da diversidade que Ruptura traz, mesmo em suas paisagens modernistas e enganosas que apresenta dentro do espaço de trabalho das indústrias Lumon.

A princípio, a trama da série pode parecer confusa. Mas tudo é muito bem amarrado pelo ótimo roteiro escrito pelo criador da série. E não para por aí. As direções de Stiller (que comandou os seis primeiros episódios) e de McArdle (que comanda os outros três) são magistrais, assim como a linda direção de arte e fotografia, e, o melhor de tudo, um elenco poderoso formado por ótimos atores (a maioria desconhecida do grande público) e uma dupla icônica formada por dois gigantes: John Turturro e Christopher Walken, que protagonizam as mais belas cenas desta primeira temporada da série.

À medida que a série continua, estabelecemos não apenas as motivações pessoais que fazem os personagens centrais da história participarem de algo como o procedimento de ruptura, mas também o mundo político que se concentra em cada momento dos episódios. Vemos vários protestos em relação ao programa de separação, políticos obscuros oferecendo seu apoio por razões sinistras, e bandas punk cantando em revolta contra o sistema que o programa está criando. Por mais que a série seja sobre os perigos de ignorar o trauma internalizado – como o personagem de Mark, que usa o local de trabalho para fugir da morte de sua esposa -, também serve como uma queda brutal do local de trabalho moderno, e como ela tenta destruir qualquer forma de individualidade de seus trabalhadores. Exemplo disso são as histórias de grandes e-commerces, como Amazon, que expõem a profunda vigilância interna cometida em seus trabalhadores, bem como as horas impossíveis sob as quais muitos são forçados a trabalhar.

 Ruptura entra no centro das atenções com um sentimento incrivelmente assombroso ao longo de seus nove episódios que parecem cada vez mais oportunos, a cada dia que passa. O conceito de dividir-se em dois e a exploração que o local de trabalho pode cometer em uma pessoa sem o seu conhecimento é um conceito verdadeiramente assustador que a série cobre especialmente em seus episódios finais.

Sem dúvidas, Ruptura é uma das melhores séries que assisti nos últimos anos. Desde o cuidado técnico para nos mergulhar na alegoria e no mistério, do subtexto crítico e filosófico em torno de temas profundamente realistas, até os arcos dos personagens empáticos, a obra gira sob muitas ideias e aborda muitos elementos para oferecer uma experiência fascinante. Um universo sedutor, dramas reflexivos e uma narrativa compulsiva, Ruptura entra no cenário de melhores obras da telinha na atualidade.

Assista ao trailer:

Ruptura

5

5.0/5
Escrito por

Victor Dellazeri

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.